• Artigos

A CONSCIÊNCIA DA ALMA ATRAVÉS DA MEDITAÇÃO

Por Violeta Mafra


Tudo o que vemos tem o que pode ser chamado de “valor adquirido”, “valor inato” (ou inerte).


O valor adquirido, é aquele que foi assimilado diretamente por associação durante a existência.


O valor inato, é o que sempre é, independentemente da aparência. Por exemplo: o valor adquirido do ouro muda com as oscilações do mercado, o seu valor real ou inato prende-se ao facto de ser um dos minerais mais bonitos e preciosos. Ele é extremamente vistoso e maleável; com ele podem ser feitos brincos, pulseiras, pingentes, colares, chaveiros, etc.


Se me perguntarem quais são as qualidades principais presentes num relacionamento harmonioso com alguém, eu poderia, imediatamente, responder: amor, paciência, tolerância, entendimento, empatia, e assim por diante.


Como como sei disso? Será puramente pela própria experiência? Posso lembrar de, realmente, ter experimentado completa e constantemente alguma dessas qualidades em algum relacionamento?


Provavelmente não…. Nesse caso, de onde vem essa ansia pelo certo, se não de um sentido inato do que é correto ou bom?


Como posso julgar ou perceber o nível de paz, amor e felicidade de uma situação, se não por uma projeção dessas mesmas qualidades que estão dentro de mim?


É como se elas se juntassem como uma “régua” sutil, para medir o que acontece à minha volta, de forma que os ajustes internos necessários possam ser feitos de acordo com cada situação. Se é bom ou ruim, pacífico ou confuso, as minhas próprias qualidades inatas, ao menos, me “aconselham” sobre o que está a acontecer.


O desafio é que elas estão em estado latente e não se traduzem muito facilmente em ação, apesar dessas qualidades serem a base dos meus ideais, quando estou enfraquecida sou incapaz de aplicá-las deliberadamente de acordo com as exigências do momento. Elas precisam ser FORTALECIDAS!


Assim, um dos benefícios mais imediatos na prática da meditação é melhorar o funcionamento deste “medidor interno”.


As minhas qualidades inatas estão simplesmente à espera de uma oportunidade para se manifestarem. Como uma lâmpada sem corrente elétrica, a possibilidade de “acender” as minhas qualidades existe, mas elas precisam ser “conectadas” com uma fonte de energia (força). Isso é exatamente, o que a meditação faz.


Os atributos inatos, são propriedades imutáveis. É impossível retirar o azul do céu ou a doçura do mel… o azul e o doce, fazem parte da constituição imutável do céu e do mel.

Do mesmo modo, independentemente do que EU me tenha tornado como SER, os meus atributos inatos profundos ainda são os mesmos que sempre existiram em mim. É a minha existência interior de qualidade que, de facto, me inspira a buscar o ideal em tudo que o que faço.


O impulso de buscar e de sonhar vem da minha própria reserva de atributos inatos, que só está à espera de ser descoberta e trazida para a atividade prática na minha vida.


As qualidades inatas da alma são fundamentais. Elas são tão básicas que constituem o “alicerce” de todas as virtudes e poderes de um SER: paz, pureza, poder, equilíbrio, verdade, felicidade, coragem, força, esperança, integridade, amor, etc.


Elas são as “cores primárias” e as virtudes são as “cores secundárias”.


Assim como a cor verde é obtida da união entre o azul e o amarelo, as virtudes como: paciência, tolerância, coragem, doçura e assim por diante, são a combinação dessas qualidades básicas.


Exemplos:

PACIÊNCIA = PAZ + AMOR + VERDADE

CORAGEM = PODER + VERDADE

DISCERNIMENTO = VERDADE + PAZ + EQUILÍBRIO


Se quero mudar a minha vida, preciso mudar as minhas ações! E para isso, tenho de transformar os meus pensamentos.


A alma usa a mente como um “ecrã” (ou campo), no qual projeta pensamentos, sensações, imagens e ideias. De acordo com o impacto que estas causam, cria-se uma experiência, um sentimento ou uma emoção.


A mente tem a capacidade surpreendente de assumir a forma de tudo aquilo em que pensa, em qualquer momento, e de “extrair” um sentimento da qualidade que vem com a “forma”.


Portanto, se quero sentir-me bem, tenho que ter os tipos de pensamentos que trazem a qualidade da bondade.


Quando força e sabedoria se unem o resultado é a PAZ. A meditação é a conexão ou união mental alcançada por meio da lembrança. Sempre que a mente está concentrada, isso pode transformar todo o teu caminho!


A meditação esvazia a mente de pensamentos de dor e sofrimento, para experimentar quietude e tranquilidade do espírito. Meditação é a jornada em direção à consciência da alma e à consciência de Deus. Ela deve ser guiada pelo uso dos pensamentos criados na mente, e pela memória profunda e interna do estado inato e original do ser.


Meditar é uma experiência incrível e relaxante. Um aperfeiçoamento dos poderes de perceção e reação-resposta.


A meditação transforma pensamentos negativos em pensamentos positivos.

Se tenho pensamentos positivos, tomo uma direção positiva.

Se tenho pensamentos negativos, tomo uma direção negativa.

Se não tenho nenhum pensamento, não vou a lugar algum.


A meditação é o método de produzir emoções mais elevadas pelo entendimento, e de manter sob controle, os processos internos do eu interior.


Viver de bem com a vida é o principal objetivo da meditação. Ela permite entrar em conexão com o presente, despertar os seus talentos e a inspiração para criar novas escolhas.


Meditar é contemplar a sua vida com direito ao reconhecimento de todas as possibilidades da sua alma.


Meditar é sentir-se parte do Universo, sem crenças ou dogmas, tocar sua propriedade sem limites, sem medos e sem mistérios.


Quando a escolha é ser feliz é necessário romper com traumas do passado e a meditação desperta o seu interesse por tudo que seja amor e alegria, transforma a sua capacidade para sentir o valor da tua existência.


Paz Profunda,



Violeta Mafra

  • YouTube