• Artigos

ESCRITA TERAPÊUTICA NA PRÁTICA - JANEIRO

Por Ricardo Fonseca

O tema desta edição da revista Portugal Holístico baseia-se na frase Chico Xavier "Novas folhas, novas flores, na infinita bênção do recomeço”, pelo que, neste artigo, irei abordar de que a forma a escrita terapêutica poderá ajudar a gerir as emoções associadas aos recomeços, aos novos ciclos das nossas Vidas.


Cada dia, por si só, é um ciclo que acaba e outro que se inicia, sendo de igual modo constituído por inúmeros ciclos que vivemos ao longo desse dia, onde tantas emoções pululam no nosso ser, à espera de serem acolhidas, reconhecidas, compreendidas e vividas.


Não há emoções certas ou erradas quando estamos perante o recomeço de algo ou de um novo ciclo, pois cada um de nós vive, esse mesmo processo, à sua maneira, sendo que aquilo que nos une a todos e de igual forma, é a necessidade de gerir o que sentimos para vivermos em pleno esses processos.


No que diz respeito ao papel da Escrita Terapêutica na gestão de emoções relacionadas com o fim de algum ciclo e o início de um novo, ela pode ajudar a compreender e reconhecer todas as emoções, que muitas vezes são parte do que já foi vivido ou são manifestações de uma ansiedade sobre o que virá pela frente, como será o recomeço. No entanto, para começarmos a escrever sobre os recomeços da nova vida, urge escrever algo respondendo a estas questões “O que significa para mim recomeçar? Como vivo o fim e/ou o início de um ciclo, na minha Vida? Estou preparado para vivenciar esse processo, de forma consciente e gerindo as minhas emoções?”. Ao responder a estas questões e escrevendo a sua resposta começará o processo de reconhecimento e compreensão do que está a sentir.


Segue-se a elaboração da Lista de Recomeços, onde temos que ser o mais sinceros possíveis e não fazer qualquer juízo de valor que impeça a escrita sobre as nossas emoções, quer gostemos ou não delas. Com esta lista vamos enumerar os vários ciclos que fazem parte da nossa vida, podendo inclusive ser construída uma tabela, onde faço várias colunas com os seguintes nomes Ciclos que acabaram, Ciclos que estão a começar, Ciclos que estou a viver e Ciclos que quero iniciar.


Como podem reparar, pelos nomes de cada coluna da vossa tabela, poderão estar a viver todos esses ciclos, onde as emoções podem estar relacionadas ou serem completamente distintas, antagónicas, o que poderá estar a causar um processo de confusão emocional, impedindo uma saudável gestão de emoções. Não se esqueçam de escrever todos os ciclos que são importantes, tenham eles uma carga emocional mais ou menos positiva, tenham sido ou não desejados.


Agora que temos a nossa lista e começámos a viver o nosso processo reflexivo, podemos dar continuidade ao nosso processo terapêutico, utilizando a escrita, respondendo a novas questões relacionadas com cada coluna escrita no exercício anterior. Assim, respondemos a cada uma das seguintes questões, individualmente, uma resposta para cada questão, que vai ajudar a orientar o vosso processo de reflexão.


As questões em causa são as seguintes: “Refletindo sobre os ciclos que acabaram, como me senti quando fui eu a terminar? E quando foi terminado sem eu querer, como me senti?”; “Sobre os ciclos que estão a começar, como me sinto quando sou eu a começar? E quando é começado sem eu querer ou desejar, como me sinto?”; “E sobre os ciclos que estou a viver no momento, como me sinto em relação a eles? Quero tomar alguma decisão?” e, por fim, “Em relação aos ciclos que quero começar, como me sinto? Porque não recomeço e não vivo conscientemente esses recomeços?”.


A resposta a cada uma destas questões é um processo demorado, pois implica uma reflexão profunda sobre os vários ciclos da vossa vida, sobre as emoções que estão a sentir agora que escrevem sobre esses mesmos ciclos, pois, muitas vezes, quando escrevemos, estamos a tornar real todos estes processos, que estão escondidos na nossa mente, porque não nos queremos aventurar a viajar pelas nossas emoções. No entanto, quero ressalvar que estas respostas têm que ser, unicamente, escritas a pensar em si mesmo, como se sente, independentemente de haver alguém relacionado com esse processo, pois o que se pretende é gerir as suas emoções e não as emoções do Outro.


Reitero que não existem, ao utilizar a Escrita Terapêutica, respostas certas ou erradas, mas sim emoções genuínas, desde que sejam o mais sinceros possível convosco mesmos, que não se coíbam de escrever o que sentem, mesmo que pareça algo errado, que seja algo que não corresponde à vossa forma de estar, mas se essa mesma emoção ecoou no vosso ser, é porque está a pedir para ser, conscientemente, trabalhada, compreendida e acolhida em Amor.


Assim, estimado leitor, o que tem a dizer a si mesmo? Arrisca-se a gerir as suas emoções e a compreender os ciclos que está a viver?


Ofereça a si mesmo, no novo ciclo cronológico que está a começar, esta oportunidade de reflexão, crescimento e evolução, para que possa viver em pleno cada recomeço da sua vida, ciente de que algo tem que morrer, para nascer de novo, que algo tem que acabar, para dar espaço a novos começos e viver é mesmo apreciar cada ciclo como um processo essencial para a nossa evolução e felicidade.


Bons exercícios de escrita e boas reflexões.




Ricardo Fonseca

Facebook: Ricardo Fonseca – Escritor Site: www.semearemocoes.com

  • YouTube