• Artigos

ESCRITA TERAPÊUTICA NA PRÁTICA - JULHO

Por Ricardo Fonseca

Esta edição tem como tema base a frase de um autor desconhecido que escreveu “Seja como o sol: levante, brilhe e ilumine o mundo”, sendo o mote deste meu artigo, onde irei partilhar alguns exercícios de escrita terapêutica tendo como foco o aumento da nossa autoestima, com base nas nossas capacidades de superação, resiliência e força interior (para nos levantarmos), a forma de potenciarmos o nosso brilho interior e como podemos iluminar o mundo com as nossas emoções e ações.


Há diversos momentos na nossa vida em que caímos e onde iremos precisar de nos reerguer, para continuar o nosso belo percurso, porém sentimo-nos sem forças, sem coragem e invadem-nos sentimentos de descrença, desesperança que podem aumentar a intensidade e valorização dessa queda, sendo necessário encarar esses mesmos sentimentos e a escrita pode ajudar nesse processo. Podemos então escrever sobre o que sentimos com essa queda respondendo às seguintes questões: “Porque caí? Como me sinto com esta queda?”, sendo que é necessário responder sem qualquer juízo de valor, aceitando cada pensamento, sentimento e emoção, com a sua carga menos positiva como sendo algo genuíno, que precisa de ser aceite como tal.


Depois de escrevermos sobre o estado emocional pós-queda, podemos continuar a escrever respondendo a outras questões: “Como me levantei das outras vezes em que caí? Onde fui encontrar a minha força interior? Quais foram as estratégias de adotei?”. Ao responder a estas questões vamos ser conduzidos a um processo de reflexão sobre o nosso passado, para identificar os vários momentos da nossa Vida onde superámos vários desafios, onde fomos resilientes e que mostraram a nossa verdadeira força interior.


Serve este exercício para ajudar a reviver todas as vezes em que caímos e nos levantamos, sendo que este exercício tem um objetivo ainda mais específico que é lidar com a nossa queda no momento certo, não escondendo e guardando o que sentimos, para que não se torne numa ferida que não cicatriza.


Com a elaboração destes dois exercícios iremos reencontrar algumas das nossas capacidades, habilidades e potencial, que nos vão ajudar a compreender porque caímos e como nos vamos levantar para podermos voltar a iluminar o nosso ser, o nosso percurso, recuperando o nosso brilho. De modo, para reconhecer o nosso brilho e intensificá-lo, podemos elaborar um novo exercício de escrita onde vamos escrever uma carta a nós mesmos, elogiando as nossas capacidades, dando os parabéns por termos conseguido ultrapassar um novo desafio, do qual, apesar da dor, saímos mais fortes, porque tivemos coragem de o enfrentar para crescer e aprender, e podemos começar essa mesma carta da seguinte maneira: “Eu quero dar os parabéns a mim mesmo/a porque (…); consigo reconhecer as minhas capacidades de (…), aprendi, com este processo (…).”


Agora que começamos a recuperar o nosso brilho, com o aumento da nossa autoestima, do nosso amor-próprio, podemos ajudar quem nos rodeia e com quem nos relacionamos a encontrar o seu próprio brilho, usando o nosso como guia orientador, cuidando assim daqueles que precisam desses cuidados e que reconhecem a necessidade desse cuidar.


Torna-se quase uma missão de vida iluminar o mundo com o nosso brilho, através das nossas emoções e das nossas ações, sendo que para nos orientar nesta demanda de cuidar e de iluminação, podemos elaborar um exercício de escrita terapêutica, tendo como lema “Como posso ajudar o outro com as minhas aprendizagens, vivências e emoções? Como posso partilhar-me com o Outro ajudando-o no seu caminho de transformação?”. Com este exercício iremos escrever quais as estratégias que vamos utilizar para cuidar e ajudar o Outro, baseando-nos nas nossas experiências e vivências, sendo que neste percurso de escrita poderemos, em alguns casos, reconhecer e aceitar a nossa missão de Vida como seres que iluminam a vida do Outro.


De igual modo, para partilharmos o nosso brilho com quem nos rodeia podemos utilizar a escrita terapêutica ao escrever mensagens de esperança, de gratidão e de amor, pois ao escrever sobre estes sentimentos e emoções positivas estamos a partilhar a nossa essência com o seu brilho natural e fortalecido, por termos trabalhado os desafios da nossa Vida e estarmos prontos para continuar a calcorrear os nossos percursos, erguidos, com brilho e em missão de Amor.



Ricardo Fonseca

percursosdevida@gmail.com

Ricardo Fonseca - Escritor

www.semearemocoes.com

  • YouTube