• Artigos

ESCRITA TERAPÊUTICA NA PRÁTICA - MAIO

Por Ricardo Fonseca

O tema desta edição da revista Portugal Holístico baseia-se na frase de Jean – Baptiste Massieu, “A gratidão é a memória do coração”, pelo que, neste artigo, irei abordar a temática da gratidão, partilhando convosco alguns exercícios de escrita terapêutica, visando promover o reconhecimento e integração da gratidão na nossa Vida.


Todos os dias, existem motivos para sermos gratos, sendo que, de um modo inconsciente, sabemos e conseguimos identificar quais os motivos, as situações e as pessoas pelas quais estamos gratos, servindo de alicerce para enfrentarmos todos os desafios da vida que possam colocar em causa, muitas vezes, o reconhecimento de gratidão.


Reconhecemos facilmente os motivos positivos pelos quais somos gratos, porém, existe alguma dificuldade, em alguns casos, em reconhecer a gratidão pelos motivos menos positivos da nossa vida que, à primeira interpretação, causaram emoções menos positivas, originando um sentimento antagónico em relação à gratidão. De facto, quando vivemos uma situação menos positiva (relações, acontecimentos, sentimentos), não conseguimos entender e integrar a gratidão por esse momento, porém, quando analisamos posteriormente essa situação, conseguimos reconhecer as contrapartidas positivas para a nossa vida, em gratidão.


O primeiro passo, utilizando a escrita terapêutica, para integrar a gratidão na nossa vida, é a realização de um exercício que consiste na criação de uma Lista de Gratidão, onde vamos escrever e identificar quais as situações pelas quais somos gratos (as mais e as menos positivas), as relações pelas quais somos gratos (as mais e as menos positivas), as pessoas às quais somos gratos (por motivos menos ou mais positivos) e os aspetos pessoais, relacionados com o nosso ser e viver, pelos quais somos gratos (os mais e os menos positivos). Esta Lista de Gratidão vai permitir a identificação e o reconhecimento da gratidão na nossa Vida, dando o mote para outro exercício de escrita terapêutica, a criação da Carta de Gratidão.


A Carta de Gratidão é uma carta onde expressamos a nossa gratidão a alguém, a nós mesmos, por algo que aconteceu, pelas nossas vivências e experiências que nos têm permitido crescer, sendo que, após a elaboração da Carta de Gratidão, podemos ou enviar a carta à pessoa por quem estamos gratos ou podemos queimar a mesma, quando não a queremos enviar e apenas queremos enaltecer um ciclo, um momento, uma experiência. Não existem limites nem fronteiras para a elaboração desta carta, sendo só necessário deixar fluir o nosso coração, em consciência, deixando fluir as nossas emoções e permitindo sentir a gratidão em cada palavra escrita.


Um exemplo da aplicação da Carta de Gratidão é a sua elaboração para agradecer a alguém que marcou o nosso viver, que tenha sido uma marca positiva ou menos positiva (tendo em conta a vivência passada), mas pelo qual somos gratos por tal ter acontecido e por nos termos cruzado. A carta pode ser elaborada do seguinte modo: “Eu (…) quero agradecer-te por (…) (identificamos as vivências, emoções, sentimentos, memórias), porque me fizeste ou fazes sentir (…) e por esse motivo, e tantos outros, sou grato por me ter cruzado contigo.” Depois podemos continuar a escrever o que fizer sentido para a nossa alma, para a nossa vida e que enalteça tudo o que foi vivido, em gratidão, com aquela pessoa.


Para escrever a Carta de Gratidão para agradecer uma situação que vivemos, podemos começar a elaborar a carta da seguinte forma: “Eu sou grato por ter vivido (…) (identificamos a situação, vivência), pois essa experiência permitiu-me (…), mesmo que aquando a sua vivência me tenha sentido (…), porém hoje, em gratidão, reconheço que (…) graças a essa situação. Este tipo de carta poderá ser queimado posteriormente, encerrando o ciclo de reconhecimento e valorização da situação em causa.


Para escrever a Carta de Gratidão destinada a nós mesmos, podemos começar a elaboração da mesma da seguinte forma: “Eu (…) sou grato a mim mesmo por me permitir (…), reconhecendo que quando agradeço a mim mesmo sinto-me (…), conseguindo identificar e reconhecer as minhas (…), pelo que sou grato por tudo o que me permito (…).” Esta carta pode também ser queimada ou guardada, para que, quando vivermos situações menos positivas, de dúvida e medo, possamos lê-la e voltar a reconhece a gratidão na nossa Vida.


Por isso, caros leitores, comecem hoje mesmo a agradecer a vossa vida e tudo o que têm vivido, sendo que aconselho a escrita de um post-it, onde escrevem “Só por hoje, sou grato por ser, sentir, aprender e viver” e levem todos os dias convosco para enaltecer a gratidão em Viver.




Ricardo Fonseca

Facebook: Ricardo Fonseca – Escritor

Site: www.semeadordeemocoes.com

  • YouTube