• Artigos

O AMOR NO RELACIONAMENTO AMOROSO

Por Pedro Gomes

Quando falamos de amor é importante entender que cada pessoa tem o seu próprio conceito de amor, principalmente quando nos referimos aos relacionamentos.

As experiências, as crenças, as convicções e os valores são os fatores mais influentes para a criação de uma definição pessoal sobre o amor. Desta forma, podemos dizer que cada pessoa tem o seu próprio conceito de amor e, consequentemente, a forma como vive um relacionamento amoroso – colocando aqui um aparte, a importância da comunicação num relacionamento recente é uma forma de fazer uma ótima gestão de conflitos e também de expetativas.

Uma comunicação bem cuidada com a outra parte acerca do amor e do relacionamento, é um fator de importância primordial (conforme já mencionei num outro artigo).

À parte da comunicação, existem diversas outras variáveis que podem prever um desfecho de um relacionamento.

Abaixo mencionarei dois grupos de comportamentos no amor entre duas pessoas, que podem determinar dois resultados bastante diferentes.

1 – O Amor imaturo encontra-se em relacionamentos pouco saudáveis, em que a qualidade de vida é bastante afetada aquando da convivência das duas pessoas.

Então, menciono algumas atitudes e comportamentos característicos de amor imaturo:

  • A pessoa vê a outra parte como uma extensão de si mesmo;

  • A pessoa apresenta pensamentos e medo de abandono;

  • A pessoa necessita continuamente de reforço para sentir e saber que é amada;

  • A pessoa tem comportamentos de dependência, para com a outra parte, em vários contextos da sua vida para satisfazer as suas necessidades físicas, materiais e emocionais.

  • A pessoa demonstra incapacidade de gerir as suas emoções em relação ao relacionamento e a si mesma;

  • A pessoa precisa constantemente de saber onde a outra pessoa está, sempre que não estão juntos;

  • A pessoa sente-se como se fosse inútil e infeliz sem a outra parte presente;

  • A pessoa vive apenas o momento, sem ter em conta planos da outra parte;

  • A pessoa faz de tudo para manter o seu relacionamento, até mesmo anular-se a si mesma;

  • A pessoa apresenta comportamentos de medo e desespero em relação às mudanças, criando estratégias para resistir à mudança.

  • A pessoa faz constantemente promessas para camuflar as suas incertezas;

  • A pessoa quer moldar a outra parte à imagem que considera ser a mais adequada para si mesma;

  • A pessoa distancia-se ou afasta-se, de acordo com as suas próprias necessidades.

2 – O Amor maturo encontra-se em relacionamentos saudáveis, existindo um convívio inteligente na gestão emocional e nas adversidades. Num relacionamento com maturidade é importante cada uma das partes demonstrar um bom auto conhecimento e também um bom conhecimento do outro. Menciono então, algumas atitudes e comportamentos característicos de um amor maturo:

  • A pessoa sente-se completa em si mesma sem se servir do relacionamento para isso;

  • A pessoa observa que as necessidades do relacionamento são independentes das necessidades pessoais;

  • A pessoa sente-se emocionalmente segura;

  • A pessoa tem controlo sobre a sua própria vida, sendo independente e singular.

  • A pessoa aceita a outra parte com todas as suas caraterísticas, mostrando e incentivando o potencial de crescimento que a outra parte tem;

  • A pessoa é capaz avaliar as situações com base na realidade, evitando influências externas;

  • A pessoa assume os seus comportamentos imperfeitos, procurando melhorar sem se sentir humilhado;

  • A pessoa planeia o futuro enquanto vive o momento;

  • A pessoa tem a capacidade de sair da sua zona de conforto por si mesma, motivando o próprio relacionamento;

  • A pessoa está sempre atenta e tem em conta as necessidades da outra parte;

  • A pessoa aceita de forma respeitosa e responsável um eventual término do relacionamento.

Em algum destes dois grupos de comportamentos, no teu íntimo, crias alguma identificação dentro do teu relacionamento? Para responderes a esta pergunta, começa por observar os teus próprios comportamentos, e só depois os comportamentos do teu par.

Adiante, enumero ainda uma lista de algumas crenças pessoais que tornam, logo à partida, qualquer relacionamento fragilizado.

  • Preciso de alguém mais forte do meu lado para que eu possa ser mais feliz;

  • Tenho que ceder sempre para o outro me amar e não me rejeitar;

  • Amar é não estar só. Farei qualquer coisa para não me sentir só;

  • Amor tem sofrimento.

  • Para ser amado preciso ceder nas minhas vontades, na minha forma de pensar e esquecer o que sinto.

  • Tenho que demonstrar estar sempre certo, senão a outro deixa de me respeitar;

  • Temos que nos isolar e fechar para proteger o relacionamento, pois os outros têm inveja da nossa felicidade;

  • Um casamento é para sempre.

Existe aqui alguma crença com a qual te identificas?

Para responderes, esquece o que pensar e observa as tuas atitudes e comportamentos no teu dia-a-dia. Só então terás a tua verdadeira resposta.

Portanto, um relacionamento saudável pressupõe que cada uma das partes tenham uma estabilidade emocional intrínseca. Este é o caminho para evitar comportamentos de abusos emocionais e verbais. Então, partimos como suporte de que o amor precisa e deve ser afirmado em crenças que potencializem a liberdade, criando espaço suficiente para aceitar as diferenças comportamentais e singulares do individuo.

Uma boa relação amorosa é um processo contínuo e deverá ter sempre como premissa o crescimento de ambas as partes, lado a lado, mas de forma intrínseca e singular, tendo sempre um objetivo em comum.




Pedro Gomes Coach de Vida, Programação Neurolinguística com foco terapêutico e emocional Desenvolvimento Pessoal, autoconhecimento, desenvolvimento de comunicação www.pedrogomescoach.wordpress.com apedrogomesa@outlook.pt

  • YouTube