• Artigos

PARA VÓS, JOVENS, SÍMBOLOS DE RENASCER

Por Ana Guerra

Estamos em Janeiro de 2019. Em Numerologia, o número 3 indica que temos um ano com base na comunicação (isso implica um maior diálogo connosco e por consequência com o outro); também um ano em que a inspiração nos acompanha com vista a viver novas experiências. O incentivo para o crescimento próprio através de nos permitirmos a arriscar por caminhos desconhecidos, contudo desafiantes e ricos em aprendizagem.


Após o balanço feito em Dezembro, vamos agarrar essas conclusões e reflectir que novos passos dar. Durante a realização dos presentes simbólicos para a troca natalícia, estive focada nos meus netos, que são jovens e preparam os passos para a aliciante caminhada que é vida. Considerei relevante e partilho convosco, Leitores, as mensagens encaminhadas aos meus netos:


A responsabilidade é uma tónica crucial para que os vossos passos sejam representantes do contínuo crescimento que realizamos durante toda a nossa vida. Muitos pais desabafam que se sentem perplexos, um pouco perdidos, pelos comportamentos que encontram, hoje em dia, em vós, jovens adultos e adolescentes.

Eu sei… por me recordar de quando estamos na adolescência, acreditamos que sabemos muito. Sabeis porque nos sentimos dessa forma? Deixo-vos este desafio, sugerindo a pesquisa sobre o tema. Uma pesquisa realizada por vós, é mais eficaz na medida em que as questões são colocadas por vós, pois é um processo muito pessoal, individualista.

Claro que vamos descobrindo que afinal nem sempre a informação se transformou em conhecimento e este em sabedoria. Esse é o caminho para amadurecermos, neste caso, Vós netos maravilhosos.


O meu presente é um caderno diário onde podeis registar as vossas emoções, sentimentos (conceitos diferentes; não representam o mesmo), as vossas dúvidas, partilhas de momentos diários que vos incomodam.


Por que este presente? Como sabeis, a avó trabalha com as pessoas que desejam viver o seu auto-desenvolvimento. Por acreditar que quanto mais cedo, começarmos a usar ferramentas fantásticas e cruciais para um crescimento inteligente a nível emocional.

Sim, são as emoções que maiores desafios, e adversidades, nos trazem. Cada vez mais, constatamos que a gestão das emoções e o uso da nossa inteligência emocional (que daí advém) são o segredo para uma tranquilidade, assertividade, segurança e confiança em nós mesmos. Isto fala da nossa auto-estima.


Ora bem, muitos seres crescem sem esta capacidade que os ajuda a encontrar objectivos e representa um sucesso, seja a que nível, que todos os seres humanos ambicionam. Vós não sois excepções.


Novos paradigmas chegam para atingirmos este tipo de objectivos. A minha herança, para vós, é, acima de tudo, o que Sou e posso partilhar convosco: o que aprendi. Nesse sentido, sabemos que momentos de relaxamento/meditação são meios para que atinjam sucesso. A escolha diária de viver um momento de “meditação”, em que nos encontramos connosco próprios, sem ruídos exteriores, e pensamentos que perturbam, faz parte deste processo de desenvolvimento.


A escrita é uma terapia, e ao mesmo tempo, pode significar um desafio de descoberta de muitas capacidades que estão latentes em cada um de nós. Posso deixar o testemunho pessoal e de todas as pessoas com quem tenho trabalhado que ao começarem o seu caderno diário, descobrem frutos maravilhoso; muitas vezes, deixam de o fazer e acabam por constatar que afinal, é um hábito para ficar, pelos resultados que isso lhes traz.


Um outro passo é trabalhar as emoções. Quando as identificamos, passamos a ter mais consciência de nós e do que nos rodeia. Partilhei com alguns de vós, netos, uma ferramenta muito útil para esse processo. Mais uma vez, todas as pessoas que a usam, sentem-se gratas e descobrem o quanto isso as ajuda no dia-a-adia, consigo mesmas e com o outro (colegas de trabalho/escola, chefes, amigos, familiares, cônjuges, namorados/as, etc).


Deixam de viver a preocupação, para se focarem em novas metas. Ao comungar convosco o depoimento de quem continua a viver desta forma, posso dizer-vos que se focam, cada vez mais, em soluções em vez de problemas; que conseguem ser mais assertivos.


Outra descoberta: viver com responsabilidade implica aprender a focar-se em si mesmo. Quando te focas em ti, começas a viver a tua vida. Com certeza, que é um facto, que descobres, neto/a, que alguns adultos que te rodeiam vivem muito a vida dos outros; vivem cheios de problemas e preocupações. Uns lamentam, queixando-se de tudo o que não têm, da vida que escolheram, e que acham que nada podem fazer por eles próprios.


Ao aprenderes a focares-te em ti, tudo isto desaparece. O que achas que focares-te em ti, significa? Poderás associar ao conceito de egoísmo. Não é para ser vivido dessa forma. Focares-te em ti, tem como primeiro passo, conheceres-te. Quem és? O que queres para ti? Se precisares de ajuda, sabes que podes contar comigo.


Até agora, já focámos muitos pontos essenciais para o crescimento que vives e que tem muitos despiques. Que necessidades sentes? O que gostarias de ver respondido?


Posso sugerir alguns pontos de reflexão:

- vês-te como um ser responsável? O que significa seres responsável? O teu conceito assemelha-se ao que é transmitido?

- consideras-te um ser disciplinado? O que é isso da disciplina? Por que é que me falam nisto? Achas que é importante para ti?

- tens o teu quarto organizado? Assim como os teus pertences? Quem os arruma?

- que regras consideras que te “obrigam” e não gostas? Que regras colocarias se vivesses sozinho/a?

- que hábitos tens? Sabes o que é um hábito? Quais os que sentes que te impuseram? E, quais os que escolheste, por ti?

- sentes que vives em parceria? O que é família, para ti?


Agora, vou-te falar de outra coisa que te ajudará a conheceres-te melhor. O nosso comportamento é determinado por algumas variáveis. Irei referir algumas. As tuas características, a tua personalidade, as tuas crenças, valores e atitudes, são factores determinantes. Ao conseguires identificar os teus, serás mais consciente do ser que és e isso facilitar-te-á na relação contigo e com o outro.


Tens características que estão umas mais activas do que outras; por isso, podes surpreender-te com comportamentos que nem tu próprio/a acharias que irias ter. Isso acontece porque não te conheces, ou estás crente que és aquilo que os outros dizem que és, por exemplo. Quais são as tuas? Não te sintas frustrado/a se não conseguires fazer uma lista; esta é para se ir fazendo.


Tens crenças e valores, que foste assumindo como teus, enquanto crescias, que te foram dados pelos pais, depois pelos pares sociais (professores, colegas, amigos, outros familiares, ou até mesmo por testemunhos escritos como livros, filmes, etc). Um dia descobres que alguns deles não fazem muito sentido para ti. Ao começarem a deixar de fazer significado, podes substituí-los por outros. Esse processo é salutar e natural. Ajuda-te a seres mais responsável, a olhares mais para ti, e seres mais seguro de ti… Isto faz parte do processo: focares-te em ti, por exemplo.


As atitudes que tens podem não te ajudar a atingir objectivos que escolheste. O que é uma atitude? É o que pensas sobre determinada coisa, dito de uma forma simples. Vou deixar alguns exemplos: O que é amizade para ti? O que é ser amigo/a? O que é ser pai/mãe? O que é a liberdade? Que pensas sobre o racismo, o aborto? O que é ser arrogante, prepotente? O que é ser orgulho? O que é auto-estima?


Todos estas atitudes irão determinar o teu comportamento. Há adultos que te dizem algo e comportam-se de forma diferente: a isso chama-se incoerência. Esses seres não estão focados em si; sim, a maioria deles não tem consciência disso. Foram educados dessa forma e por esse motivo agem em conformidade.


Também existem crenças que demonstraram pouca eficácia. Por exemplo: ensinam-nos que preocuparmo-nos é ser responsável; posso partilhar contigo que não necessariamente. Que gostares do outro é preocupares-te com ele.


Preocupação significa pré-ocupar a tua mente. Ora isto, é viver de modo antecipado. Muitas vezes, as pessoas preocupam-se com algo que não existe ainda; outras focam-se nos problemas em vez das soluções. Todas as pessoas a quem questiono sobre se o facto de se preocuparem as ajudou encontrar soluções, respondem-me que não. Todas as pessoas. Ora bem, isso demonstra a ineficácia dessa aprendizagem. Posso ser responsável, mais objectivo, se me focar em mim, e nas soluções para resolver adversidades e desafios. Isso faz com que viva de forma mais serena, confiante. Também me indica que não vivo só e que pode dar e receber o que sou, e o que os outros são.

Com todas estas ferramentas, podes escolher viver de uma forma diferente. Com mais assertividade, segurança e respeito por ti próprio/a.


Em que te posso ajudar?


Termino partilhando que foi o tema deste mês da Revista Portugal Holístico que me levou a pensar em Ti, em Vós, meus netos.


O tema é: "Novas folhas, novas flores, na infinita bênção do recomeço." (Chico Xavier).

Isto levou-me a pensar nos seres que florescem, e muitas vezes, sem rumo. É relevante saber quem sois e o que desejam para vós mesmos!


Um novo ano na história dos Homens e com isso novos desafios.




Ana Guerra


*A autora não aderiu ao Novo Acordo Ortográfico


(*) - as palavras que desconheces, procura-as no dicionário; isso fará com que enriqueças o teu vocabulário, algo que irás precisar daqui a uns anos, senão daqui a pouco tempo na tua aventura pela sociedade de trabalho.

  • YouTube