• Artigos

QUANDO SE VIR POR AÍ...

Por Patricia Tolezano

Já escrevi aqui que na vida – como na jardinagem – é preciso podar-se. Tanto quanto for necessário para crescermos e desenvolvermos as nossas potências. Entretanto, a grande dificuldade está em saber a hora, encontrar o motivo e realizar esta poda essencial sem medo das consequências. É confiar que está tudo certo, independentemente do que possa vir a seguir.


Como seria bom se eu tivesse o poder de contemplação de Cecília Meireles porque eu não "aprendi com as primaveras a deixar-me cortar e a voltar sempre inteira". Aprendi na luta, cortando-me, despedaçando-me, desconstruindo e construindo vezes sem fim. Neste caminho, quantas vezes ouvi ou li “não tenhas medo. Vai passar?! Seja lá o que esteja acontecendo, isto vai passar”. Algumas vezes passava, outras não. E eu seguia sem entender o que significava. Eram apenas frases feitas a nortear qualquer texto de autoajuda que não faziam muito sentido e não eram verossímeis.


Precisei de crescer sofrendo ao carregar pesos desnecessários até que, aos poucos, pude perceber as entrelinhas que ninguém te explica: eu era a responsável por fazer o que quer que seja passar. Estava nas minhas mãos a responsabilidade do corte, da poda, do crescimento e do desenvolvimento próprio. Você é o responsável por fazer passar. Seja assumindo novas atitudes, posturas, olhando uma outra abordagem, ou mesmo abandonando o que você perseguia cegamente e não conseguia.


São muitos os caminhos para a mudança do cenário, mas nenhum está fora. Estão todos dentro de você, esperando por seus pés ávidos a percorrê-los. Talvez, você consiga sozinho, com um livro, oração, meditação ou inspiração. Talvez, precise de ajuda. Mas, também está em você procurar esta ajuda, seja ouvindo alguém social ou profissionalmente, seja através de um desconhecido ou conhecidos. Você só tem que estar com ouvidos de sentir. Está em você discernir quando é tempo de reclusão e inclusão. Quando é tempo de cortar-se para manter-se inteiro.


Não há técnica que resista à persistência de não nos conhecermos e aceitarmos. Não há profissional milagroso que conserte o equipamento sem ligá-lo; não há receita que funcione sem as mãos que misturam os ingredientes; não há resultado sem produto, não há mudança se o objeto em questão não quer mover-se.


Então, o segredo está em querer... querer sair da zona de conforto e assumir a vida com seus prós e contras, as dores e as delícias, nos vermos belos através e apesar das nossas mazelas. Muitos dizem isto. Mas, será mesmo que os deprimidos não querem sair da depressão? Será que os compulsivos querem viver a exagerar? Será que todos não queremos ser ricos e felizes? Será?


A verdade é que querer não é sinónimo de sonhar, mas sim de intencionar, que por sua vez significa planejar para realizar. Então, querer tem que ser entendido aqui como gesto, não apenas pensamento.


O pensamento guia, mas são as ações que nos impulsionam. Agimos segundo os nossos pensamentos. Então, que eles sejam puros. Puros de rancor, de indiferença, de ira, de inveja, de orgulho, de autopiedade, de tudo o que o nosso ego faz-nos acreditar importante. “Ah, mas eu não sei ver isto!”, alguns afirmam no meio do caos. Então, pergunte a si: eu acho isto legal? Se a resposta for não, afirme: Então, não quero pensar! E, se pensar, pense algo bom no sentido contrário. Assim, esta imagem vai-se apagando. Isto é tencionar, planejar, agir, cortar pela raiz, e, finalmente, mudar!


Mas, dói! Cansa! Claro, quando você muda um móvel de lugar, dói seus braços e seu corpo cansa. Quando você muda pensamentos, dói o corpo, mente, dói lugares e coisas que você nem conhecia! Mas, é bom doer... Isto significa - como no caso dos músculos - que estes lugares em você precisam ser movimentados. Muitas vezes, numa mudança de casa, você joga móveis e utensílios fora; outros, você muda a cor, coloca em outro cómodo. Assim também é com pensamentos: alguns merecem o lixo; outros, a reciclagem da resinificação (resinificação).


Ah, mas eu só queria ficar aqui quietinha, esperando isto passar. Num toque de mágica? Não há mágica no desafio de viver, não há mágica na mudança, não há mágica no mundo. E, mesmo assim, o mundo é mágico e nós fazemos magia a cada dia, ao acordar. Respirar é pura magia. Puxe o ar e sinta como todo o seu corpo reage. Faça isto quantas vezes forem necessárias até perceber a brisa interna. A pessoa que você gostaria de ser está aí, puxando este ar, pronta para acontecer. Então, olhe-se no espelho da vida, encontre-a, sorria para ela, faça as pazes com ela, dê espaço, ajude-a a sair do sonho e viver na real.


Só precisa ver que você é esta pessoa em eterna construção e se perdoar pelos cortes desnecessários, pois eles acontecem. Portanto, quando se vir por aí, sorria, porque, mesmo que tenha de reconstruir-se vezes sem fim, na real, a verdadeira magia de viver consiste em pôr-se inteira ao reunir os pedaços.




Patricia Tolezano

915912611

  • YouTube