• Artigos

SEJA A SUA PRÓPRIA ESTRELA

Por Joana Vasconcelos

Já pensou em quantas estrelas existem no céu? Já parou para pensar na quantidade de estrelas que nascem e morrem sem nos darmos conta disso?


Damos as estrelas como algo adquirido e, realmente, elas estão sempre lá. Sejam as mesmas ou diferentes, para nós é igual, são aqueles pontinhos no céu que vemos todas as noites. Da mesma forma, damos algumas coisas na nossa vida como garantidas, mas, um dia, algumas delas fogem-nos ou desaparecem…


Uma pequena estrela no céu é quase insignificante no meio do Universo. Mas assim somos nós. Pequeninos quando comparados com a imensidão do Universo. Não somos mais que as estrelas que brilham todas as noites. E, como elas, temos de brilhar todos os dias, seja um dia bom ou um dia mau, porque a esperança de que melhores dias virão é algo que não podemos, de forma alguma, esquecer.


As estrelas estão sempre lá, mesmo que não as vejamos. Assim como o sol que nasce todos os dias, mesmo que chova e o céu esteja repleto de nuvens que o ofusquem. Da mesma maneira, todos nós temos de nos levantar quando caímos porque nunca sabemos o que nos espera. Um vento forte pode empurrar as nuvens e fazer brilhar o sol ou presentear-nos com um céu estrelado, assim como a esperança pode fazer mudar totalmente a nossa vida.


Sempre me ensinaram que a esperança é a última a morrer e, de facto, esse é um lema que me ficou gravado. Acredito até ao último minuto que as coisas são possíveis e, quem sabe, talvez por isso, sou mais otimista do que a maioria. Porque acredito que há sempre esperança de que as coisas melhorem, de que as pessoas mudem, de que o dia de amanhã seja melhor.


Esperança que amanhã possamos ser melhores pessoas do que somos hoje. Esperança de que tudo o que é mau ou de mal nos acontece terá um fim, e que somos merecedores de tudo o que de bom a vida tem para nos oferecer. Esperança num mundo melhor, para o qual todos nós temos um papel fundamental. Se cada um fizer a sua parte, se mantiver vivo o brilho da sua esperança, da sua estrela, acredito que o Universo retornará em dobro.


Como diz a frase de Érico Veríssimo, “Enquanto as estrelas brilharem, ainda haverá esperança na vida” e assim o é, de facto. Assim como as estrelas brilham, sem querer saber das nuvens que nos impedem de as ver, nós também devemos brilhar, mesmo quando temos aquela “nuvenzinha” negra por cima, naquelas alturas em que nos sentimos mais desanimados ou desagradados com a vida.


Nessas alturas, lembre-se das estrelas. Lembre-se que a esperança nunca deixa de estar presente, mesmo que não a veja no momento.


Veja cada estrela como uma oportunidade na sua vida, como a esperança de que dias melhores virão. Veja como algumas delas se ligam, criando constelações tal como nós, cá em baixo, nos ligamos a outras pessoas. Veja o céu como o seu livro, aberto, ainda por decifrar e com milhares de luzes que o irão conduzir ao caminho certo.


Por isso, quando se sentir desanimado, triste, desiludido ou simplesmente melancólico, lembre-se das estrelas no céu, que, independentemente do tempo que esteja, mantêm-se lá, acreditando que alguém as vai notar. Se puder, ou conseguir, olhe para o céu estrelado das noites de verão e veja a quantidade de estrelas que existem no céu. Veja a quantidade de oportunidades que a vida ainda tem reservadas para si. Peça um desejo. Peça com toda a sua força e tenha a esperança que o seu pedido será atendido.




Joana Vasconcelos

Mestre de Reiki, Cristaloterapia, Radiestesia

http://apequenareikiana.blogs.sapo.pt/

https://www.facebook.com/apequenareikiana/

  • YouTube